Biossegurança em debate na UFRJ

A Comissão de Biossegurança do Centro de Ciências da Saúde (CCS) promoveu nesta quinta, dia 10, o evento “Atualidades em Biossegurança no CCS”, no auditório da Biblioteca Central. A importância do evento se dá pelos riscos que os métodos de pesquisas científicas podem trazer sem os devidos cuidados.

A professora Elba Regina Sampaio Lemos, pesquisadora da Fundação Instituto Oswaldo Cruz (Fiocruz), debateu a transmissão de doenças através dos animais na palestra “Animais, Risco de Zoonoses e Biossegurança”. Trazendo dados de estudos no Laboratório de Hantavirose e Rickettsiose do Instituto Oswaldo Cruz, ela mostrou a importância do cuidado no trato de animais, tanto domésticos quanto aqueles utilizados em pesquisa.

Depois de enumerar doenças que são trazidas ao homem pelos animais, como a raiva, a febre maculosa e a leishmaniose, Elba Lemos explicou que pode haver o contágio direto ou indireto. Um cachorro, por exemplo, pode ter a doença e transmiti-la através de uma mordida ou mesmo um arranhão. O contato indireto, por sua vez, se dá através dos parasitas. “Mesmo que a pessoa não entre no mato, um cachorro pode trazer o carrapato para dentro de casa. O carrapato infecta o ser humano, mas é o cachorro que faz o `link` entre os dois”, alertou.

O evento contou com palestras também em outras duas mesas: “Biossegurança em odontologia” e “O uso do jaleco fora do local de trabalho e suas consequências para a saúde”.