Centro de Ciências da Saúde aborda pós-graduação lato sensu

 Na última sexta feira (21/08) o Centro de Ciências da Saúde (CCS) organizou um simpósio com o objetivo de discutir a pós-graduação lato sensu. De acordo com o Ministério da Educação as pós-graduações lato sensu compreendem programas de especialização, incluindo cursos de MBA, que possuem a  duração mínima de 360 horas e  conferem certificado de especialização em lugar de diploma.

Almir Fraga Valladares, decano do CCS, fez a abertura do evento e anunciou os palestrantes convidados: o professor Antônio Jorge Ribeiro da Silva, que foi elogiado pelo decano pela iniciativa do encontro, e a professora Sandra Azevedo, superintendente acadêmica de pós-graduação e pesquisa (PR-2).

A professora Sandra exaltou a importância da pós-graduação lato sensu, considerando-a uma boa estrutura de ensino de graduados, embora reconheça que a stricto sensu seja mais conhecida. Ela trouxe um levantamento de dados feito com informações do registro oficial da base SIGA (Sistema Integrado de Gestão Acadêmica) revelando que o CCS possui quase três vezes mais cursos lato sensu do que o Centro de Tecnologia (CT), segundo colocado.

O CCS conta com 154 cursos, o CT com 58 e o Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas (CCJE) com 43. O Centro de Ciências Matemáticas e da Natureza (CCMN) e o Centro de Letras e Artes (CLA) possuem ambos 12 cursos, enquanto  o Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFCH) e o Fórum de Ciência e Cultura (FCC) possuem, respectivamente, quatro e três cursos.

Embora a liderança no ranking seja alavancada por influência da residência médica, Sandra mostra que este não é o fator determinante. “Dentre as categorias de cursos lato sensu do CCS, a maioria (85) é de especialização, seguida pela residência médica (64) e pelo de aperfeiçoamento (5). Entre as faculdades e instituições, o Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCFF) é o que agrega mais cursos. Em seguida vêm o Instituto de Puericultura e Pediatria Martagão Gesteira (IPPMG) e a Faculdade de Odontologia.

Em contrapartida, o mestrado profissional, um tipo de pós-graduação stricto sensu, ainda não se faz muito presente na UFRJ e no CCS está totalmente ausente. A superintendente acredita, no entanto, que isso deve mudar: “Acho que temos unidades no CCS com condições, corpo docente consolidado e público-alvo extremamente interessado para também termos essa modalidade aqui”, acredita Sandra.

Segundo ela, a especialização do tipo lato sensu visa a uma atualização do conhecimento específico de  determinada área profissional. Entretanto, não visa à reflexão ou a um produto final em que se proponha determinado tipo de avanço do conhecimento daquela área. Por isso confere certificado, mas não diploma. O mestrado profissional tem características similares em termos didáticos, mas busca, por ser stricto sensu, um produto final que mostre  reflexão.

“Nós acreditamos que haja espaço para as três modalidades, o mestrado acadêmico, o mestrado profissional e a especialização. Certamente, se no CCS temos essa gama de pós-graduações, é porque precisamos e temos público-alvo para elas”, concluiu a superintendente.

O simpósio contou ainda com a palestra do professor Antônio Jorge, que foi seguida de  debate sobre o tema do evento entre os palestrantes e  professores presentes.