Dinamitando os muros da universidade

 Começou na quarta-feira, 20/05, a sexta edição do Conhecendo a UFRJ, projeto organizado pela Pró-reitoria de Extensão (PR-5) que tem como objetivo apresentar os cursos e carreiras oferecidos pela universidade a estudantes de Ensino Médio. Até amanhã, cerca de 12 mil alunos vão assistir a palestras e exposições, nas quais poderão tomar contato com a realidade concreta dos cursos, suas características, possibilidades de atuação profissional, de trabalho e de pesquisa.

O evento foi oficialmente aberto com uma cerimônia, realizada na Escola de Educação Física e Desportos (EEFD), nesta manhã, e contou com a participação de autoridades da UFRJ, entre elas o reitor Aloísio Teixeira, Almir Fraga, decano do Centro de Ciências da Saúde (CCS), e Laura Tavares, pró-reitora de Extensão.

Classificando o Conhecendo a UFRJ como o maior evento "portas abertas" da universidade brasileira, Laura Tavares iniciou seu discurso dando boas-vindas aos estudantes presentes ao ginásio da EEFD. Logo de início, a pró-reitora lembrou que, no país, apenas 12% da população entre 18 e 24 anos ingressam na universidade e enfatizou a necessidade de o Ensino Superior ser acessível a todas as classes da sociedade brasileira.

Para a professora, o atual mecanismo de acesso ao Ensino Superior é excludente e precisa ser reavaliado. O Vestibular foi duramente criticado por reforçar as desigualdades sociais e impedir parcelas significativas da população brasileira de ingressar na universidade. “A Educação é um direito, e não uma mercadoria. Ela tem que ser pública em todos os níveis, do Fundamental ao Superior”, pontuou a pró-reitora.

Laura Tavares elegeu o ENEM como um passo importante para a superação do Vestibular. Por ser uma forma unificada de seleção, não possuir taxas de inscrição e permitir que os estudantes escolham cinco cursos em cinco universidades distintas, a professora acredita que o ENEM possa iniciar o processo de mudança de acesso às universidades. “Muitos alegam que o Ministério da Educação está com pressa, mas eu digo que essa mudança já veio tarde. Estamos esperando transformações na universidade há muito tempo. Temos que começar a mudar agora, com a participação de todos. A gente quer vocês aqui para se tornarem cidadãos melhores, com espírito crítico e mais generosos”, opinou a professora.

Já o reitor Aloísio Teixeira ressaltou que expandir a universidade não é suficiente. Será necessária também a associação do Ensino Superior com o Médio, visando à melhoria da qualidade deste último.

Em consonância com a fala de Laura Tavares, Aloísio resgatou dados estrangeiros da frequência de estudantes em nível universitário que contrastam com a realidade brasileira. Citou Cuba, que abriga 90% dos jovens nas universidades, e informou que, na América Latina, essa média é de 32%. O reitor explicou aos presentes que os baixos índices brasileiros se devem ao processo de formação da Educação Superior do país, concebida, inicialmente, para atender as elites. “Por isso, nós convocamos vocês para o Conhecendo a UFRJ, para dinamitar os muros para que ela seja uma verdadeira universidade”, finalizou.