Nota de falecimento do professor Angelo da Cunha Pinto

É com pesar que a Reitoria comunica o falecimento do professor Angelo da Cunha Pinto, ex-diretor do Instituto de Química da UFRJ. Com mais de quatro décadas de atuação na UFRJ, o professor teve longa trajetória no desenvolvimento de pesquisas no âmbito da Química de Produtos Naturais. Seu velório será nesta quinta-feira, 8 de outubro, das 14h30 às 15h30, no Cemitério Parque da Colina, em Pendotiba, Niterói (estrada Francisco da Cruz Nunes, 987). A cerimônia de cremação ocorrerá às 15h30m.

Angelo da Cunha Pinto (1948 - 2015)

Angelo da Cunha Pinto, Professor Titular do IQ - UFRJ (1993) e ex Diretor do Instituto de Química da UFRJ (2000-2004), faleceu esta manhã, aos 66 anos. Nascido em Portugal, na cidade de Marco de Canavezes, chegou ao Brasil em 1951, aos dois anos de idade. Graduado na Faculdade da Farmácia/UFRJ, pertencia ao Departamento de Química Orgânica do IQ. Desde cedo manifestou o seu interesse pela Química de Produtos Naturais e fez parte, por muitos anos, da editoria científica do Journal of the Brazilian Chemical Society. Editava a Revista Virtual de Química.

Como pesquisador, logo teve interesse em estudar o desenvolvimento de novos métodos de síntese de substâncias heterocíclicas e o desenvolvimento de separação de substâncias orgânicas. Sua produção científica na química de produtos naturais sobre a família das Velosiáceas e, no caso da síntese orgânica, sobre o núcleo de uma substância denominada isatina, fez com que ele e seu grupo de colaboradores do Laboratório de Produtos Naturais do IQ obtivessem liderança nacional e internacional.

Em 1992 ele e seu grupo de pesquisa receberam o Prêmio Ambriex, da Sociedade de Farmácia e Química de São Paulo, com um estudo sobre a síntese de hormônios vegetais. As substâncias que deram origem a este hormônio eram naturais e foram isoladas da família das Velosiáceas.

O Prof. Angelo transferiu-se para o Instituto de Química em 1986 onde exerceu, primeiramente, o cargo de Diretor Adjunto da Pós Graduação.  Desde 1997 tornou-se membro titular da Academia Brasileira de Ciências, sendo portador da Grã Cruz da Ordem Nacional do Mérito Científico (2004) e Comendador da Ordem Nacional do Mérito Científico (1998). Também em 1997 recebeu a Medalha Simão Mathias pela Sociedade Brasileira de Química (1997), da qual também foi presidente.

O falecimento prematuro do Professor Angelo da Cunha Pinto deixa uma lacuna muito grande na Química do Brasil.

Texto da profa. Cássia Turci, diretora do Instituto de Química