Posse de nova diretoria do IBCCF encerra maratona no CCS

No dia 28 de fevereiro, os novos diretores do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho (IBCCF) tomaram posse, encerrando a maratona de três dias consecutivos, após a entrada dos diretores do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB), na segunda-feira, e do Instituto de Bioquímica Médica (IBqM), na terça. A diretoria que estará à frente do IBCCF pelos próximos três anos será composta pelo professor Olaf Malm, como diretor, e Denise Pires de Carvalho, como vice-diretora.

A cerimônia, ocorrida no anfiteatro da Biofísica, contou com a presença de professores de diversos institutos, bem como alguns estudantes pesquisadores. Conforme os eventos acontecidos nos dois dias anteriores, este também foi marcado pelo otimismo e pela apresentação de perspectivas para o futuro.

O primeiro a discursar foi o professor Rafael Linden, que dirigiu o IBCCF nos últimos três anos. Numa fala marcada pelo bom humor, Rafael demostrou que não esconde o alívio por terminar uma gestão e acredita que os novos diretores têm tudo para realizar um ótimo trabalho. Além disso, apresentou algumas conquistas do instituto nos últimos anos. “O IBCCF teve doze laboratórios reformados, inclusive um laboratório de animais transgênicos que está sendo aprimorado e conta com uma nova sala. Nove docentes e cinco funcionários técnico-administrativos foram integrados e duas salas de aula foram construídas nestes três últimos anos. Contamos também com diversos prêmios individuais, conquistados por alunos, docentes e estagiários.”

Em seguida, a vice-decana do Centro de Ciências da Saúde (CCS), Maria Fernanda Quintella, afirmou em seu discurso que o IBCCF pode contar com o CCS para qualquer iniciativa. “O IBCCF teve um papel fundamental no desenvolvimento da ciência dentro da UFRJ. Ele foi precursor na integração entre pesquisa, ensino, desenvolvimento e formação de recursos humanos. Hoje, por exemplo, não se admite professores que não sejam pesquisadores, e neste fator o IBCCF se mostrou pioneiro”.


O diretor empossado, Olaf Malm, também proferiu um discurso otimista. “É com grande disposição que a nova direção se lança neste desafio. O sucesso de qualquer empreendimento depende de todos, por isto estou aberto a opiniões e discussões”. Olaf homenageou uma série de professores e amigos, como Leopoldo de Meis, Doris Rosenthal, Vivian Rumjanek e Rafael Linden. Disse ainda que o instituto está iniciando a produção de um pólo de teleciência, na internet, algo que possibilitará a popularização da ciência e aumentará a visibilidade do IBCCF.

O reitor Aloísio Teixeira encerrou a cerimônia de forma descontraída, comentando que a presença de praticamente o mesmo público nestes três dias de evento, reforça que a interdisciplinaridade não é uma distante utopia. Além disso, afirmou que a responsabilidade do IBCCF é a de consolidar um paradigma que ainda não está solidificado na universidade. “O papel da universidade não é apenas o de formar profissionais técnicos, mas sim de criar Ciência e Cultura. Devemos nos lembrar todo o tempo que a universidade não é apenas um curso técnico de nível superior, mas algo muito além.”