À comunidade da UFRJ

Como é do conhecimento de todos, no dia 3/10, aconteceu um incêndio no 8o andar do prédio da Reitoria, atingindo diretamente as Pró-Reitorias de Gestão e Governança (PR-6) e de Extensão (PR-5), que foram destruídas, e parte da Pró-Reitoria de Pessoal (PR-4). O fato gerou forte comoção em toda a comunidade da Universidade, visto que, além de ter ocorrido em uma edificação de grande valor arquitetônico, o prédio abriga unidades acadêmicas (Ippur, FAU, EBA), o museu D. João VI e todas a Pró-Reitorias. 

O edifício foi interditado, por razões de segurança, para que perícias do Corpo de Bombeiros, da Defesa Civil e da Polícia Federal fossem realizadas. Uma comissão formada por professores da FAU e do CT realizou também uma vistoria para a verificação das condições estruturais do edifício. Os laudos estabeleceram que seria possível utilizar o 1o e o 2o andares do prédio, incluindo o bloco D, no qual estão localizadas as salas especializadas para as aulas práticas que foram integralmente preservadas. A utilização do 3o ao 6o andares depende de obras de reforço estrutural, hidráulica, da subestação, da distribuição de energia e de escadas de incêndio. Caso os recursos necessários e já solicitados ao MEC sejam prontamente liberados, em 2017/2 será possível reocupar parcialmente o prédio, avaliação que será realizada em conjunto pelo ETU, FAU, EBA, Ippur e Decania do CLA. O prazo para a recuperação do 7o e do 8o andares será mais longo.

O reitor esteve pessoalmente em Brasília, para, junto ao MEC e à bancada de deputados federais do Rio de Janeiro, buscar os recursos necessários à recuperação do edifício e para outras providências voltadas para a melhoria das condições de prevenção a incêndios na UFRJ. As demandas abrangem as medidas imediatas para recuperar o prédio da Reitoria, as obras de prevenção de incêndio e rotas de fuga e medidas emergenciais para o CCS e o IQ. As Pró-Reitorias foram instaladas, emergencialmente, nas dependências do CCMN e CT. As aulas dos cursos de graduação e pós-graduação da Escola de Belas Artes, da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo e do Instituto de Política e Planejamento Urbano e Regional foram suspensas até o dia 4/11. A alteração da data anterior (24/10) foi necessária, para finalização das ações voltadas para realocação das disciplinas de graduação e pós-graduação da FAU e EBA, nas salas disponibilizadas pela Escola Politécnica, Instituto de Física, Iesc, Faculdade de Letras, Coppe, Coppead, CCMN e outras unidades, além das instalações do 1o e do 2o andares da Reitoria.

A pronta e generosa resposta dos decanos e diretores de unidades à demanda por salas foi apresentada em reunião com a Pró-Reitoria de Graduação (PR-1), diretores e coordenadores de cursos das unidades atingidas. Em comum acordo, decidiu-se priorizar os esforços para a retomada da utilização do prédio da Reitoria – 1o e 2o andares, de imediato – e do 3o ao 6o, em 2017/2, ao mesmo tempo em que seria processado o estudo para a ocupação das salas e espaços disponibilizados. Outras reuniões, com a presença do Gabinete do Reitor e da PR-5 e, em seguida, da PR-1 deram seguimento ao processo, que identificou necessidades imediatas para a retomada das aulas, como adaptações dos espaços e transporte de pranchetas. O processo de definição da ocupação das salas e espaços disponibilizados, concentrados no CT, no Instituto de Física, na Faculdade de Letras e no Bloco D do conjunto da Reitoria, está em fase de conclusão. O reinício das aulas se dará no dia 07/11.

A Reitoria está fortemente engajada na recuperação do prédio. O valor simbólico do lugar da FAU, EBA, Ippur e, também, das Pró-Reitorias exige respostas objetivas sobre o prédio. Por isso, todo o cronograma e medidas prioritárias serão realizados em conjunto com a comunidade: estudantes, servidores técnico-administrativos e docentes. 

Neste momento, é mais importante do que nunca a união de todos os que compõem o corpo social da UFRJ e de toda a sociedade para que essa situação seja superada e sigamos no caminho do fortalecimento da universidade pública brasileira.