Nota sobre o prédio Jorge Machado Moreira e as aulas do período 2017/1

Após o incêndio ocorrido em 3/10/2016, no edifício Jorge Machado Moreira, que, além da área administrativa, abriga as unidades acadêmicas da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU), Escola de Belas Artes (EBA), Instituto de Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional (Ippur) e Centro de Letras e Artes (CLA), a Reitoria solicitou ao MEC recursos para a recuperação predial e para aquisição de equipamentos destruídos pelo incêndio. O total de recursos demandados foi de R$ 25 milhões apenas para a referida edificação. O MEC liberou, em dezembro de 2016, R$ 9 milhões emergenciais, em caráter suplementar, sendo R$ 6,5 milhões de custeio, já integralmente liberados, e 2,5 milhões de investimento, ainda sem cota de limite de empenho efetivada pelo MEC. Emergencialmente, a Reitoria priorizou o escoramento preventivo e pontual da estrutura, a retirada dos escombros queimados e obras de recuperação emergencial dos andares atingidos pelo incêndio.

Neste momento, trabalhamos na recuperação da estrutura, alvenaria, esquadrias, bem como da parte elétrica e hidrossanitária do prédio.

O processo de licitação e contratação das obras de recuperação segue o curso regular e depende diretamente de fluxo de liberação de recursos orçamentários e financeiros por parte do MEC. Já em novembro de 2016, após ações emergenciais feitas pela Reitoria em conjunto com as unidades, as atividades administrativas e acadêmicas, que funcionam do térreo ao 3º andar, foram restabelecidas, permitindo a acomodação de parte das unidades e o restabelecimento de alguns laboratórios de ensino e pesquisa e salas de aula da FAU e da EBA. As aulas do período de 2016/2, inicialmente suspensas no mês de outubro/2016, foram retomadas em novembro/2016 também em outras unidades da UFRJ, na cidade Universitária, sem comprometimento das atividades de ensino, pesquisa e extensão.

Em 2017/1, quando receberemos novos estudantes oriundos do Sisu, serão mantidas as aulas ainda nas estruturas provisórias e adaptadas, incluindo o 4º andar, que está sendo preparado para ampliar a oferta de salas de aula, em sistema de condomínio, coordenado pela Pró-Reitoria de Graduação.

Temos plena compreensão das dificuldades enfrentadas pelo corpo social das três unidades e entendemos que não será necessária a suspensão das atividades acadêmicas de 2017/1, dado que, até março deste ano, haverá mais disponibilidade de espaços e melhores condições de trabalho e estudo para o funcionamento das unidades afetadas.