CCS promove evento de prevenção ao suicídio

Palestra do CVV - Foto: Divulgação

O Centro de Ciências da Saúde (CCS) sediou nos dias 12/9 e 13/9 o evento Setembro Amarelo: pela Valorização da Vida! Durante os dois dias, ocorreram palestras, exibição de vídeos e conversas em prol da prevenção ao suicídio. A mesa de abertura contou com a presença da decana do CCS, Maria Fernanda Quintella; do superintendente de Pessoal, Pedro Campos; e dos técnicos-administrativos do Setor de Humanização e Acolhimento Roberto Santos e Jacemira Thimotheo.

Celebrada desde 2015, a campanha Setembro Amarelo procura conscientizar a população mundial sobre um dos temas mais delicados da contemporaneidade: o suicídio e suas marcas. Realizado pelo CCS em parceria com o Setor de Humanização e Acolhimento, o evento contou com palestra do Centro de Valorização da Vida (CVV), mesa-redonda sobre o suicídio em produtos audiovisuais, palestra sobre psicologia, entre outros.

Maria Fernanda Quintella abriu o evento reforçando a necessidade de se estar atento aos sinais que a depressão pode causar e que apenas pelo contato humano podemos identificá-los e criar soluções. “Apesar de sermos muitos, às vezes as pessoas se sentem muito sós. Temos que estar atentos ao olhar para nós mesmos e para o próximo. Nós da Universidade precisamos fazer parte dessa ação tanto para os alunos quanto para os profissionais.”

 João Alexandre, coordenador do CVV de São Gonçalo, falou durante sua palestra sobre a importância de se ouvirem as pessoas que estão ao redor para prevenir casos de suicídio e auxiliá-las. Segundo Campos, são cometidos 32 suicídios por dia no país, cerca de um a cada 45 minutos. Embora a taxa seja menor que a mundial – que é de um a cada 40 segundos –, os números cresceram 30% nos últimos 25 anos, principalmente entre a população jovem. “O tempo é valioso nessas situações e a sociedade hoje em dia não tem mais tempo. O suicídio precisa ser encarado como uma questão de saúde pública”, explica.

O CVV atua no processo de escuta e auxílio às pessoas que passam por momentos difíceis e pensam em suicídio. Hoje o centro atua por meio de uma central de telefone, redes sociais, chat, cartas e também com atendimento presencial. Todo o trabalho do CVV é feito de maneira voluntária. Para mais informações sobre como se tornar voluntário, acesse o site.

Se precisar de ajuda, ligue para 141 ou entre no site.

Sua vida importa!