UFRJ celebra dez anos do campus Macaé

Comunidade acadêmica comemorou progressos e fez homenagens ao professor Aloisio Teixeira 

Leher discursa entre Denise Nascimento, Márcio Magini e Arlene Gaspar

 

Histórias de pessoas e projetos, relatos de desafios e sonhos deram o tom da cerimônia que celebrou os dez anos do campus UFRJ-Macaé Professor Aloisio Teixeira, na segunda-feira, 26/3. O evento foi marcado por homenagens ao ex-reitor, que dá nome ao campus, e também pelo lançamento de uma exposição sobre Aloisio.

“Estamos celebrando a vitória de toda uma geração de servidores que lutaram muito para que isso virasse verdade”, disse o reitor da UFRJ, Roberto Leher. Ele destacou que o campus é caracterizado por “inovações epistemológicas”, distinto pela forma interdisciplinar de organizar os cursos, e que é preciso “perseverar para que o campus pense problemas regionais”. 

O reitor destacou as fortes interações acadêmicas da UFRJ com as áreas de saúde do município, mecionando, além da Medicina, os cursos de Farmácia, Química e Engenharia. 

“É nossa obrigação fazer esse campus crescer e mostrar o nosso trabalho à sociedade macaense e dos municípios do entorno”, afirmou a atual diretora, Arlene Gaspar. Segundo ela, o projeto começou como um sonho e foi desenvolvido por “muitas mãos”. Disse que o crescimento depende dos professores, técnicos e discentes.

Denise Nascimento, vice-reitora, comparou a UFRJ-Macaé a um organismo vivo. “Os professores são células de um tecido universitário que deu origem ao campus. Passados dez anos, precisamos pensar em que frente vamos capilarizar nosso trabalho”, provocou. Ela afirmou que é preciso “pensar nas mudanças estatutárias” e que serão grandes os desafios para os próximos anos. 

Coral da Cidade Universitária abriu a cerimônia

 

Márcio Magini, secretário-adjunto de ensino superior do município, representou o prefeito na mesa de abertura. Ele afirmou que a Administração “é parceira e sempre trabalhará para resolver questões da UFRJ”. Destacou também que o fato de uma cidade como Macaé possuir seis instituições públicas de ensino superior contribui para que se atinjam metas locais para a ciência. A UFRJ divide o campus municipal com outras universidades. 

Leher também lembrou que a Reitoria está finalizando a análise do Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) do campus, mas antecipou que vê na análise dos problemas regionais um dos aspectos mais importantes a serem planejados pela comunidade local. “É muito importante perseverarmos na perspectiva de um salto qualitativo na nossa organização acadêmica, para avançar de maneira mais célere no adensamento das nossas grandes linhas de atuação”, declarou.

Homenagens

O professor Francisco Esteves recebeu a primeira homenagem do evento, destacando que a comunidade acadêmica desenvolve “pesquisa de qualidade com compromisso social”. O docente foi responsável pela criação, em 1994, da primeira instalação da UFRJ no município, o Núcleo em Ecologia e Desenvolvimento Sócio-Ambiental de Macaé (Nupem). 

Maria Antonieta Tyrrel, Elizabeth Accioly e Gilberto Zanetti, respectivamente os três primeiros diretores do campus, também foram homenageados. Tyrrel afirmou que a Prefeitura de Macaé “foi um elemento de apoio muito grande” para que o campus desse certo e elogiou o esforço da gestão Leher pela institucionalização do campus. Também foi homenageada Arlene Gaspar, última diretora, que já está no segundo mandato.

“A gente construiu e constrói o campus na base de muita emoção, solidariedade e ousadia. Nada se faz sem paixão”, defendeu Zanetti, primeiro diretor eleito da UFRJ-Macaé. “São muitos problemas, mas a Universidade tem o dom de ser uma caixinha de soluções”, defendeu. 

“Faria tudo novamente”, declarou o técnico Paulo Roberto Pereira dos Santos. Lembrando o desenvolvimento acadêmico da cidade, ele disse que na época da fundação havia apenas uma linha de ônibus para chegar ao local. “Se perdesse, dormia no campus.” 

Além da Administração Central da UFRJ, estiveram presentes o vereador Marcel Silvano, Olavo Brandão, representando o senador Lindbergh Farias, e o secretário municipal de educação de Macaé, Guto Garcia. Vários docentes e trabalhadores terceirizados também tiveram suas contribuições lembradas no evento. 

Dez anos de Química e Farmácia

Os cursos de licenciatura em Química e bacharelado em Farmácia também completam dez anos em 2018. Para celebrar as graduações e todos os discentes que já passaram pela UFRJ em Macaé, as estudantes Bianca Barros da Costa e Talita de Oliveira foram escolhidas como homenageadas. “A gente vê que não pode desistir dos sonhos”, disse a macaense Talita, que agora é mestranda.

fotos de Raphael Pizzino - CoordCOM/UFRJ