Prêmio Nobel da Paz dará aula magna na UFRJ

O ganhador do Prêmio Nobel da Paz, Adolfo Pérez Esquivel, ministrará a aula magna do ano letivo de 2018 da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). O ativista argentino tratará do tema Universidade e Direitos Humanos, no dia 18/4, às 10h30, no auditório Rodolpho Paulo Rocco (Quinhentão), no Centro de Ciências da Saúde (CCS), na Cidade Universitária. 

De acordo com o reitor da UFRJ, Roberto Leher, a escolha de Esquivel para a aula que abre oficialmente o semestre letivo se deve ao contexto de ameaça aos direitos humanos no país. 

“A universidade pública é um espaço de livre produção de conhecimento e de formação humana em um ambiente de plena liberdade e, por isso, vigorosamente comprometida com os direitos humanos fundamentais. Neste contexto de grandes ameaças a tais direitos, a honrosa aula magna é um gesto acadêmico, ético e político em prol do futuro da democracia em nosso país”, afirma o reitor. 

A Reitoria convida a comunidade acadêmica e toda a sociedade civil, em especial as entidades democráticas, para comparecerem à aula. 

Biografia 

Nascido em Buenos Aires, Argentina, em 26/11/1931, Esquivel é ativista da paz e dos direitos humanos, escultor e arquiteto. Recebeu o Nobel da Paz em 1980, após se destacar como opositor da ditadura militar no país. Sua atuação se estendeu para outros países da América Latina, após abandonar a carreira acadêmica. 

Na década de 1960, trabalhou com organizações de base de movimentos cristãos, com ênfase nas populações mais pobres e, posteriormente, participou de movimentos de não violência. Em 1973, publicou o periódico Paz y Justicia, para difundir essa filosofia. 

Com o advento do golpe militar de 1976, contribuiu para a organização de organismos em defesa dos direitos humanos que originaram movimentos como as Mães da Praça de Maio, Associação Civil Avós da Praça de Maio, Assembleia Permanente pelos Direitos Humanos e Movimento Ecumênico pelos Direitos Humanos. 

Em 1977, foi preso e torturado pela ditadura argentina, permanecendo em cárcere por 14 meses. O comitê responsável pelo prêmio, na época, enfatizou que “Esquivel, por meio de sua corajosa luta não violenta, acendeu uma luz na escuridão da violência argentina. Seu trabalho foi uma inspiração para pessoas oprimidas em todo o mundo”.

Serviço

Aula Magna da UFRJ – 2018

Tema: Direitos Humanos e Universidade

Convidado: Adolfo Pérez Esquivel – Prêmio Nobel da Paz

Local: auditório Rodolpho Paulo Rocco (Quinhentão), Centro de Ciências da Saúde, Cidade Universitária (Ilha do Fundão)

Horário: 10h30

foto: Marcello Casal Jr. / Agência Brasil