Hesfa conclui etapa de restauro arquitetônico

foto: Diogo Vasconcellos - CoordCOM/UFRJ

Prédio restaurado no Instituto de Atenção à Saúde da UFRJ tem dois andares para atividades acadêmicas e atendimento ao público

A UFRJ concluiu uma etapa importante do processo de restauração do edifício histórico onde funciona o Instituto de Atenção à Saúde São Francisco de Assis (Hesfa). O conjunto de edificações de 139 anos, na Avenida Presidente Vargas, Cidade Nova, é uma das unidades que compõem o Complexo Hospitalar da Universidade.

O prédio restaurado tem dois andares e fica numa das partes centrais do conjunto arquitetônico. A partir deste mês, os pavimentos começam a receber instalações que vinham funcionando em salas vizinhas.

No térreo, funcionarão consultórios de cardiologia, pediatria, clínica médica, geriatria, fisiatria e também uma sala de eletrocardiograma. A área também terá uma sala para Saúde da Família e outra para atendimento de urgência. O segundo andar receberá o Centro de Testagem Anônima e o Serviço de Atenção Especial em HIV/Aids.

Benefícios acadêmicos

O reitor Roberto Leher e a vice-reitora Denise Nascimento compareceram à cerimônia de entrega oficial das novas instalações, no dia 6/4. Eles destacaram que os benefícios acadêmicos serão grandiosos com a entrega dessa etapa da restauração.

“O Hesfa é uma unidade que tem enorme importância para a concepção de saúde pública que desenvolvemos na UFRJ. Por sua interrelação com a Escola de Enfermagem Anna Nery, com a Faculdade de Medicina e, especialmente, com todos aqueles profissionais que pensam a saúde pública, a saúde da família. Tudo isso possibilita o adensamento, em uma unidade acadêmica, de uma perspectiva para a saúde pública”, avaliou o reitor.

“Não é nada fácil realizar uma obra desta monta e não deixar de atender a população, mas apesar disso tivemos uma média mensal de 14 mil atendimentos por mês, no ano de 2017”, afirmou o diretor do instituto, Roberto José Leal.

Ele destacou que, nos últimos nove anos, R$ 16 milhões foram investidos nas obras do prédio tombado e mencionou que parte dos recursos recentes veio de emendas parlamentares dos deputados federais Chico Alencar e Jandira Feghali. “Agradeço, sobretudo, por terem acreditado nesse projeto de restauração”, disse.

“Neste ano de 2018, temos uma nova esperança nos caminhos dos nossos hospitais universitários, que é o retorno das unidades acadêmicas às nossas nove unidades assistenciais de saúde”, disse a vice-reitora. Denise agradeceu às equipes do Escritório Técnico da Universidade (ETU), Pró-Reitoria de Gestão e Governança, Gabinete do Reitor e Procuradoria Federal na UFRJ pelo trabalho dedicado a garantir a aplicação dos recursos, provenientes de fontes como o BNDES das emendas.

Obras

As etapas mais recentes do restauro do Hesfa incluem a instalação de anel ótico, recuperação estrutural das varandas do pátio interno e o conserto dos telhados e fachadas dos diversos prédios do conjunto. Segundo Paulo Bellinha, diretor-substituto do ETU, o projeto de restauração foi desenvolvido pela RAF Arquitetura e fiscalizado pela Coordenação de Preservação de Imóveis Tombados do escritório. Ele informa que, em breve, a restauração completa de três outros prédios será retomada, com verba própria da UFRJ. E outro, o chamado Prédio 4, com recursos do Programa Nacional de Apoio à Cultura (Pronac). "Estamos concluindo a restauração das esquadrias e iniciando os telhados e fachadas do Prédio 4, último do conjunto que faltava", informou.

fotos: Diogo Vasconcellos - CoordCOM/UFRJ