Evento debate Complexo de Formação de Professores

A UFRJ realizou, em parceria com outras Instituições Federais de Ensino (Ifes), dois eventos no âmbito da institucionalização do Complexo de Formação de Professores. O primeiro, realizado no Instituto Benjamin Constant (IBC) em 28/8, contou com a presença das autoridades dos Ifes. Já o segundo, realizado na Escola do Professor Carioca Paulo Freire, recebeu diretores e professores da rede municipal de ensino em 29/8. 

Durante a abertura do I Seminário de Institucionalização, no IBC, Antônio Nóvoa, professor da Universidade de Lisboa, explicou que a estrutura educacional está em um momento de profunda alteração e que esse formato escolar deve durar apenas mais uma geração. “A forma como a escola se consagrou na metade do século XIX passa por mudanças que implicam, acima de tudo, a recriação dos ambientes educativos.”

Para ele, este é o momento de se pensar o papel do professor, tanto no que diz respeito à sua função social e educacional, quanto à asseguração da sua importância enquanto profissional. “Ser professor não é apenas uma função, é uma profissão.” 

Já Roberto Leher, reitor da UFRJ, lembrou que grande parte dos professores atualmente trabalham sem carteira assinada ou em trabalhos intermitentes, como é o caso dos aplicativos para professores substitutos, e são formados em instituições de ensino cada vez mais ligadas a instituições financeiras. “Precisamos fortalecer lutas que reforcem o conceito de escola pública. Uma instituição que ajude e estimule a inventividade de crianças e jovens.” 

Leher afirmou que, para uma formação mais completa e eficiente, as atividades práticas precisam estar em contato com a realidade das escolas, inseridasnas escolas públicas e em contato com os professores da rede.

O evento contou também com duas mesas onde as Ifes apresentaram suas estruturas e como podem desenvolver parcerias com o Complexo de Formação de Professores e umas com as outras. 

 

Complexo na prática – a rede municipal 

Antônio Nóvoa participou também do primeiro evento do Complexo de Formação de Professores voltado para professores e diretores da rede municipal de ensino. O município do Rio de Janeiro foi o primeiro a firmar parceria com o Complexo para desenvolver atividades em conjunto e promover a formação dos profissionais. 

Para ele, as ações do Complexo reforçam papel centralizador na educação, tanto na formação dos alunos quanto na de novos professores. Nóvoa defende que a universidade não detenha esse poder de formação exclusivo, mas que se construa um novo espaço menos verticalizado. “Este é nosso compromisso público”, conclui.   A professora Lucineia Gonçalves de Souza, da Escola Municipal Marechal Rondon,  afirma que eventos como esse ajudam a promover a integração e melhoram o trabalho do professor. “Esse projeto agrega conhecimento, experiências. É uma troca com nossos colegas, um processo único, uma coisa muito boa”, conclui.