UFRJ concede primeiro título de emerência a um técnico-administrativo

Leher entregou o título a Regininha

Regina Loureiro, técnica da área de finanças, recebeu titulação do Conselho Universitário

Pela primeira vez em quase cem anos de história, a UFRJ condecora com o título de emerência um servidor do quadro técnico-administrativo. No caso, uma servidora: Regina Célia Alves Soares Loureiro, 63 anos, 43 dedicados à Universidade, os primeiros deles como estudante e estagiária e 39 como servidora. Poucos a conhecem pelo nome completo, já que por onde passa é conhecida pelo apelido, Regininha. 

Economista por formação pela UFRJ, com MBA em finanças públicas pela Universidade Cândido Mendes, ela foi homenageada em sessão solene do Conselho Universitário nesta segunda-feira (5/11). A emocionada cerimônia aconteceu no salão nobre do Centro de Ciências Matemáticas e da Natureza (CCMN) e lembrou sua atuação de décadas na Administração da Universidade, que incluiu, próximo de sua aposentadoria, o cargo de pró-reitora da área de finanças. 

“Desde menina sonhava ser aluna da UFRJ. Tive o prazer de servir a ela, realizei meu sonho. Saí daqui com a sensação de missão cumprida”, afirmou.   “Eu tenho a certeza de que cada colega, amigo e amiga de jornada sabe o quanto me fizeram chegar aqui, com muito zelo, empenho e dedicação. Como diz o velho ditado popular, uma andorinha só não faz verão”, agradeceu. Com a família presente, Regininha disse que por muitas vezes foi sua mãe que tomou conta do filho, enquanto ela “cuidava da UFRJ”. 

“É uma data histórica para a UFRJ”, disse o reitor Roberto Leher. Segundo ele, os conhecimentos dos servidores técnico-administrativos nunca foram devidamente reconhecidos pela instituição em termos “simbólicos”. Para o dirigente, Regininha “agrega muita inteligência” à “complexa instituição”. 

A contribuição da servidora aposentada nas diversas áreas e diferentes gestões da Universidade foi lembrada pelo pró-reitor Roberto Gambine, titular de Planejamento, Desenvolvimento e Finanças da UFRJ. Ele destacou a competência do trabalho de Regininha no controle de despesas e receitas da Reitoria, característica também ressaltada pela decana do CCMN, Cássia Turci, e pelo ex-reitor Carlos Levi. 

Cássia Turci destacou a importância do trabalho de Regininha para garantir eficiência na gestão do Laboratório de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico (Ladetec) nos últimos Jogos Olímpicos. Já o ex-reitor mencionou seu trabalho durante os episódios de execução financeira em finais de ano, que exigiam plantões das equipes nos últimos dias de cada ano, incluindo o 31 de dezembro, para aproveitamento de sobras orçamentárias do MEC. 

Durante a solenidade, a nova emérita também foi homenageada por ex-colegas de setor e pelo professor Francisco Esteves, que enviou uma carta listando suas contribuições para o desenvolvimento do Núcleo em Ecologia e Desenvolvimento Ambiental (Nupem/UFRJ). 

“Regina com certeza foi uma grande mestra na formação de pessoas”, afirmou a vice-reitora Denise Nascimento. 

Cenário crítico

A solenidade também foi marcada por discursos de preocupação com a estabilidade das instituições universitárias e das carreiras dos servidores públicos. Gambine criticou a ascensão de manifestações  preconceituosas e conservadoras na sociedade, contrapondo o cenário à figura de Regininha: “ela é a expressão da mulher livre, de sucesso, competente”, elogiou. 

“Estamos num dia de celebração, festa e, sobretudo, de otimismo em relação à nossa capacidade de forjar um futuro de democracia, liberdade, liberdade de cátedra e nossa capacidade de servir ao país com conhecimentos, processos que possam tornar a vida humana mais digna, igualitária e justa”, afirmou Roberto Leher. “Regina é um símbolo e deve servir como mais um elemento para que a gente possa resistir”, afirmou o pró-reitor de Pessoal, Agnaldo Fernandes.

Emerência para técnicos-administrativos

A possibilidade de emerência para um servidor da área técnica existe na UFRJ desde 2006, quando foi publicada resolução sobre o tema. O texto diz que esse título pode ser concedido a servidor aposentado como técnico-administrativo em educação, que tenha “contribuído de modo singular e efetivo” ao cumprimento das atividades-fim e à afirmação do caráter público da Universidade. 

Regina Loureiro recebeu a titulação do Conselho Universitário por unanimidade. 

Fotos de Diogo Vasconcellos - Coordcom/UFRJ