Colégio Eleitoral elabora listas tríplices para nova Reitoria

Denise e Frederico
Carlos Frederico e Denise Pires - foto: Diogo Vasconcellos (Coordcom/UFRJ)

Denise Pires e Carlos Frederico Rocha encabeçam listas tríplices para nova Reitoria que dirigirá a UFRJ no quadriênio 2019-2023

Listas tríplices serão enviadas ainda hoje (30/4) ao MEC

 

Na manhã desta terça-feira (30/4), o Colégio Eleitoral da UFRJ se reuniu para votar os nomes para reitor(a) e vice da próxima gestão da Universidade, conforme determina a Lei 9.192/95. Formado pelo Conselho Universitário (Consuni), Conselho de Ensino de Graduação (CEG), Conselho de Curadores e Conselho de Ensino para Graduados (Cepg), o Colégio decidiu a favor da professora Denise Pires de Carvalho e do professor Carlos Frederico Leão Rocha para a liderança das listas tríplices dos cargos de reitora e vice-reitor, respectivamente, com 82 votos cada um, num universo de 90 eleitores.

O voto foi aberto e uninominal, de forma que cada conselheiro falou ao microfone um nome para reitor(a) e outro para vice-reitor(a). Estiveram reunidos 50 integrantes do Consuni, órgão máximo da UFRJ, 19 participantes do CEG, dois membros do Conselho de Curadores e 19 componentes do Cepg. A sessão especial foi presidida pelo atual reitor, Roberto Leher, que parabenizou a nova Reitoria eleita.

“A Universidade poder exercer de forma legal e legítima o seu autogoverno é uma condição para que cumpramos as melhores expectativas que a sociedade brasileira tem dessa maravilhosa instituição que é a Universidade Federal do Rio de Janeiro. Quero parabenizar a professora Denise Pires de Carvalho pela consagradora votação do Colégio Eleitoral da UFRJ. Tenho certeza de que teremos um mandato muito protagônico num contexto muito complexo do nosso país. Quero parabenizar também o professor Carlos Frederico Leão Rocha, pela expressiva votação, que materializa de forma inequívoca qual é a vontade e a expectativa da nossa instituição”, afirmou Leher.

Emocionada, a professora Denise Pires, primeira mulher eleita para o cargo na Universidade, celebrou a liderança na lista tríplice. “É [um momento] muito emocionante! É uma mistura de emoções que a gente tem neste momento. Obviamente, com júbilo por conta da vitória, e com apreensão pelo nosso porvir. Mas estamos confiantes porque vocês [integrantes do Colégio Eleitoral] nos deram essa confiança. Nós esperamos que os próximos quatro anos sejam anos de muito trabalho para o avanço da UFRJ, de forma unida", declarou. 

"Alguns ajustes precisam ser feitos para que a gente melhore e passe a protagonizar ainda mais a educação superior no Brasil. Um futuro melhor da UFRJ significa um futuro melhor para a sociedade brasileira. A Universidade seguirá pública, gratuita, de qualidade, com a excelência que a caracteriza e sempre a caracterizou nestes quase 100 anos de existência”, completou Denise.

Releia a entrevista que Denise Pires concedeu ao Portal da UFRJ sobre suas propostas para a Universidade: primeira e segunda partes.

 

Composição do Colégio Eleitoral atende à legislação

O Colégio Eleitoral teve composição anunciada em dezembro do ano passado pelo Consuni. Atendendo ao que preconiza a legislação, o Colégio contou com, pelo menos, 70% de docentes. O processo considera o exercício da autonomia universitária, prevista e garantida pelo artigo 207 da Constituição Federal.

Relembre como funciona o processo de escolha da nova Reitoria na UFRJ.

 

Composição das listas tríplices

Reitor(a):

1. Denise Pires de Carvalho - 82 votos

2. Eduardo Mach Queiroz - 6 votos

3. Gisele Viana Pires - 2 votos

 

Vice-reitor(a):

1. Carlos Frederico Leão Rocha - 82 votos

2. Denise Maria Guimarães Freire - 6 votos

3. Eduardo Raupp de Vargas - 2 votos

 

A UFRJ encaminhará, ainda nesta terça-feira (30/4), as listas tríplices ao Ministério da Educação (MEC) para homologação e, em seguida, para nomeação pela Presidência da República.

 

Conheça os perfis da reitora e do vice-reitor eleitos

Reitora: Denise Pires de Carvalho, professora do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho (IBCCF)

Denise Pires é professora titular do IBCCF. Leciona nos cursos de graduação da área da saúde e nos programas de pós-graduação em Medicina (Endocrinologia) e Ciências Biológicas – Fisiologia da UFRJ. Foi orientadora na turma fora de sede da Universidade Estadual do Ceará (Uece) e no mestrado profissional da UFRJ para formação científica de professores de Biologia. Médica formada pela UFRJ com diploma cum laude (coeficiente de rendimento acumulado acima de 8), possui mestrado e doutorado em Ciências Biológicas (Biofísica), ambos pelo IBCCF. Tem pós-doutorado pelo Hôpital de Bicêtre (França) e pela Universitá Degli Studi di Napoli (Itália). Já foi diretora e vice-diretora do IBCCF, coordenadora acadêmica da Pró-Reitoria de Graduação (PR-1), além de diretora adjunta de graduação e pós-graduação.

Vice-reitor: Carlos Frederico Leão Rocha, professor do Instituto de Economia (IE)

Carlos Frederico Rocha é professor associado do IE. É pesquisador na área de Economia Industrial e da Inovação e atua no Programa de Pós-Graduação em Economia da UFRJ. Graduado em Ciências Econômicas, é mestre e doutor em Economia da Indústria e da Tecnologia, sendo as três formações pela UFRJ. Tem pós-doutorado pela Università Degli Studi di Siena (Itália) e pelo Institute for High Technology Universidade das Nações Unidas (Holanda). Foi diretor do IE e vice-presidente da Adufrj, associação de docentes da Universidade. Além disso, atuou como membro do Comitê Técnico do Plano Diretor da UFRJ e representante do Cepg.

 


Foto: Raphael Pizzino (Panorama UFRJ)

A Universidade Federal do Rio de Janeiro

Prestes a celebrar seu centenário em 2020, a UFRJ é a maior universidade federal do país. A instituição conta com 266 cursos/habilitações de graduação, 130 cursos de mestrados acadêmico e profissional e 94 cursos de doutorado. Seu corpo social é composto por mais de 67 mil estudantes, mais de 4 mil docentes e mais de 9 mil servidores técnico-administrativos.

A UFRJ tem estrutura similar à de um município de médio porte, compatível com o seu grau de relevância estratégica para o desenvolvimento do país. Possui dois campi no Rio de Janeiro, um em Macaé, no interior do estado, e um polo em Xerém, Duque de Caxias. Com projetos de ponta nas áreas científica e cultural, a antiga Universidade do Brasil tem sob seu escopo nove hospitais universitários, 13 museus, aproximadamente 1.000 laboratórios, 45 bibliotecas e um Parque Tecnológico de 350 mil metros quadrados com empresas de protagonismo nacional e internacional.