Rio + Seguro Fundão inicia operação em junho

A partir de junho, a Cidade Universitária contará com um reforço na segurança e patrulhamento das vias urbanas. A Prefeitura da UFRJ assinou com a Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop) e a Secretaria de Estado de Governo e Relações Institucionais (Segov) o convênio para implantação do projeto Rio + Seguro Fundão. O objetivo é reduzir os índices de criminalidade e aumentar a sensação de segurança da comunidade universitária, além de melhorar o ordenamento urbano do campus com ações integradas das equipes, formadas por policiais militares e guardas municipais. Para o prefeito da UFRJ, Paulo Mario Ripper, essa é uma das principais medidas realizadas durante os quatro anos em que esteve à frente da Universidade como gestor. “Com o Integra UFRJ, revitalizamos a Estação de Integração e ampliamos a mobilidade urbana com as bicicletas, por exemplo, mas nada se compara à questão da segurança. Antes de encerrar minha passagem como prefeito, realizamos um convênio para deixar o campus mais seguro, e não poupamos esforços nesse sentido ao buscar aproximação com os delegados da Polícia Civil (37ª DP) e os comandantes do 17º Batalhão de Polícia Militar (Ilha do Governador), sem contar o apoio dos Fuzileiros Navais”, declarou Ripper, que prevê a implementação da iniciativa para 7/6.

Com o programa, a Cidade Universitária será dividida em três setores, vigiados por policiais militares e guardas municipais. A experiência do Rio + Seguro já é conhecida pelos moradores dos bairros de Copacabana e Leme e pelos frequentadores do Parque Garota de Ipanema. É um patrulhamento preventivo com ações e posturas municipais, inspirado em programas de bairros seguros, como o de  Nova Jersey, nos Estados Unidos. 

A principal diferença do projeto em relação à Operação Segurança Presente, já instalada em outros bairros cariocas, é o emprego de tecnologia e inteligência em ações conjuntas da Guarda Municipal e da Polícia Militar para o enfrentamento da desordem urbana e os pequenos delitos. Por isso, está prevista a integração das câmeras utilizadas no monitoramento do campus ao Centro de Operações Rio (COR). Posteriormente, será aberto um canal direto de comunicação entre a comunidade e os membros da equipe por um número exclusivo de WhatsApp.

No fim de abril, o coronel da PM Lúcio Flávio Baracho, que coordena o programa, esteve na sede da Prefeitura da UFRJ e conheceu o lugar onde ficarão as instalações do Rio + Seguro Fundão. Baracho também participou de uma reunião com a Prefeitura da UFRJ e sua Divisão de Segurança (Diseg), em que explicou as linhas de atuação do programa e propôs a cooperação mútua para melhoria da segurança na Universidade. Para o coronel, a Diseg tem toda a experiência em lidar com a comunidade universitária, e a troca de informações entre as equipes será fundamental para o sucesso das ações.