Reitoria assina protocolo de intenções para reconstrução do MN

Assinatura do protocolo de intenções. Foto: Diogo Vasconcellos - Coordcom/UFRJ

A Reitoria da Universidade Federal do Rio de Janeiro realizou no sábado, 31/8, cerimônia para a assinatura de um protocolo de intenções em parceria com a Fundação Vale, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), visando à reconstrução do Museu Nacional (MN). O evento contou com a presença de deputados da bancada do Rio de Janeiro, autoridades e membros da comunidade acadêmica.

Denise Carvalho, reitora da UFRJ, abriu o encontro celebrando a atuação dos servidores e estudantes do MN que vêm desenvolvendo um trabalho excepcional na escavação e retirada das peças dos escombros. “O museu é uma unidade acadêmica que está entre as 100 melhores do mundo, e as atividades continuaram devido à força da sua comunidade”, afirmou.

Segundo ela, o protocolo de intenções é parte dos esforços da Universidade para reconstruir o Paço de São Cristóvão e, também, fortalecer o MN com a construção do campus Cavalariças e de um centro de atividades. “Pretendemos inaugurar uma ala do museu já em 2022 para a comemoração do bicentenário da Independência do Brasil. Estamos trazendo um novo modelo de governança para que a sociedade possa acompanhar o uso do dinheiro nas reformas.”

Alexander Kellner, diretor do MN, enfatizou que a equipe está lutando para recuperar o que é retirado dos escombros, tentando preservar, assim, a história do Brasil e de outros países: “Vamos reconstruir o Museu Nacional como um dos principais museus de história nacional do mundo”. O representante do Ministério da Educação, Weber Gomes de Souza, reforçou que a reação da comunidade mostra a importância do museu no Brasil e no mundo. “Já repassamos mais de 16 milhões de reais do MEC. Há um conjunto de ações para apoiar essa reconstrução.”

Durante o evento, o deputado federal Hugo Leal, líder da bancada do Rio de Janeiro, reuniu os deputados presentes para reafirmar o apoio às iniciativas relacionadas à reconstrução do MN. “No dia do incêndio entendemos que era nossa responsabilidade estarmos ativos naquele momento”, disse, lembrando-se da conquista de emendas no valor de 55 milhões de reais em 2018, posteriormente contingenciadas pelo atual governo.

Wilson Saviano doa acervo. Foto: Igor Soares - Coordcom/UFRJ

Os signatários do protocolo de intenções, Isabel de Paula, da Unesco, Julio Costa Leite, do BNDES, e Luiz Osorio, da Fundação Vale, estabeleceram o compromisso de contribuir com as próximas etapas da reconstrução, tanto financeiramente quanto com a troca de conhecimentos em gestão e governança. “Estamos neste momento com grande entusiasmo e alegria por perceber que abrimos uma nova etapa do Paço São Cristóvão e na construção do novo museu”, declarou Isabel. O diretor-executivo de Relações Institucionais e presidente do Conselho de Curadores da Fundação Vale anunciou a doação de 50 milhões de reais para auxiliar na reconstrução.

Em seguida, os presentes participaram de uma visita guiada pela equipe de resgate, na qual puderam ver o estado atual do trabalho dentro do Palácio.

Autoridades

Estiveram presentes ao evento os deputados federais Jandira Feghali, Alessandro Molon, Carlos Jordy, Chris Tonietto, Benedita da Silva e Marcelo Calero, além de um representante da deputada federal Marta Rocha; os deputados estaduais Renan Ferreira e Waldeck Carneiro; o ex-deputado federal Chico Alencar e a subsecretária de Planejamento e Gestão Governamental da Cidade do Rio de Janeiro, Aspásia Camargo. Além de representantes do Centro de Pesquisas Leopoldo Américo Miguez de Mello (Cenpes); Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP); Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF) e do Consulado da China.  

Professor da Fiocruz doa acervo de arte africana 

Wilson Savino, professor da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), fez uma doação significativa ao Museu Nacional durante o encontro. O docente doou cerca de 300 peças de arte, 15 quadros e 40 livros de sua coleção particular de arte africana contemporânea. De acordo com Saviano, o material faz parte de suas visitas ao continente e engloba diversas peças de artistas, principalmente, da África Subsaariana.

Documentário Resgates

Festival Museu Nacional Vive Foto: Diogo Vasconcellos - Coordcom/UFRJ

No dia 31 ainda foi exibido um trecho do documentário Resgates, produzido pela Coordenadoria de Comunicação (Coordcom) da UFRJ, que conta a história das pessoas envolvidas na recuperação e reconstituição do acervo. O filme será lançado no dia 19/9 na WebTV da UFRJ.

Festival Museu Nacional Vive

O Festival Museu Nacional Vive encheu a Quinta da Boa Vista de visitantes para marcar o primeiro ano após o incêndio. No fim de semana (31/8 e 1/9), a Alameda das Sapucaias recebeu uma série de atividades interativas, exposições e brincadeiras que levaram ciência, cultura e arte a todos que lá estavam, mantendo vivas  na imaginação a pesquisa e a extensão realizadas no MN.