Pesquisadores da UFRJ detectam origem de óleo no Nordeste

Luiz Landau apresenta estudo. Foto: Assessoria Coppe

O óleo que polui a costa do Nordeste foi despejado na fronteira entre Sergipe e Alagoas, em uma área distante da costa brasileira entre 600 km e 700 km. A descoberta foi feita por pesquisadores do Laboratório de Métodos Computacionais em Engenharia (Lamce) da Coppe/UFRJ, que identificaram a origem da poluição trabalhando com imagem de satélite, computação de alto desempenho e modelo matemático.

A investigação foi feita a pedido da Marinha por Luiz Landau e Luiz Assad, professores da Coppe. Os pesquisadores rodaram um modelo matemático de correntes marinhas no Atlântico e cruzaram os dados com o mapa de manchas de óleo encontradas na costa do Nordeste. Ao inverterem o sentido temporal do modelo, a partir dos pontos de destino do óleo fragmentado, chegaram a uma estimativa sobre sua origem.

A área apontada fica fora da zona econômica exclusiva do Brasil em águas internacionais. Segundo o professor Landau, essa parte da análise já foi entregue à Marinha. Na próxima semana, os pesquisadores da Coppe começarão a trabalhar para antecipar a maneira como ocorrerá a dispersão de óleo de agora em diante.

“Há muita incerteza com relação à trajetória de óleo, porque ele correu abaixo da superfície. Não sabemos quanto tempo esse óleo demorou para intemperizar, ou seja, sofrer processos de mudanças da características físico-químicas para entrar abaixo da coluna d’água”, explicou Assad ao Planeta Coppe Notícias.