Coronavírus: veja como fica o Complexo Hospitalar da UFRJ


foto: Raphael Pizzino (Coordcom/UFRJ)

Nesta quarta-feira, 18/3, a direção do Complexo Hospitalar da UFRJ divulgou orientações ao público usuário das nove unidades de saúde e aos profissionais que lá atuam. O atendimento está sendo adaptado sempre que necessário.

Além do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCFF), maior hospital em volume de consultas no estado do Rio de Janeiro, compõem o complexo: Instituto de Atenção à Saúde São Francisco de Assis (Hesfa), Instituto de Puericultura e Pediatria Martagão Gesteira (IPPMG), Maternidade Escola (ME), Instituto de Ginecologia (IG), Instituto de Neurologia Deolindo Couto (INDC), Instituto de Psiquiatria (Ipub), Instituto de Doenças do Tórax (IDT) e Instituto do Coração Edson Saad (Ices).

 

ORIENTAÇÕES AOS USUÁRIOS

 

Atendimento

Por determinação do Ministério da Saúde, o Sistema de Regulação (Sisreg) restringiu os atendimentos temporariamente. Serão realizadas no HUCFF apenas as consultas ambulatoriais urgentes, de pacientes que precisem de consulta regular e pacientes com necessidades especiais. Será permitido somente um acompanhante para os pacientes que precisarem. 

 

Porta de entrada

O acesso deverá se dar em portas diferentes para funcionários e pacientes. Será exigido o uso de identificação (crachá). Cada unidade se adequará conforme seu espaço físico. No Hospital do Fundão, a entrada destinada aos funcionários é a principal, que fica na rua Rodolpho Paulo Rocco, 255. Já a entrada dos pacientes será na Triagem, rua Bruno Lobo.

 

Visitas

Aos pacientes com diagnóstico positivo para o novo coronavírus, a visitação e o acompanhante já estão proibidos. As unidades hospitalares da UFRJ estão limitando as visitas, que poderão ser feitas às terças, quintas e aos domingos, com a presença de apenas uma pessoa, no horário entre 15 e 16h. Recomendam-se horários alternados para não haver grande circulação nos locais.

A troca de acompanhante, para os casos permitidos, deve acontecer em horários restritos: 7 às 10h e 17 às 20h. Não será permitido o acesso aos menores de 18 anos e maiores de 70 anos, bem como àqueles que apresentem sintomas respiratórios.

 

Cirurgias

Os procedimentos eletivos estão cancelados. Apenas as cirurgias de urgência, oncológicas e cardiovasculares serão agendadas.

 

Mais leitos

Como parte do planejamento da Secretaria de Estado de Saúde (SES), cerca de 10 novos leitos serão providenciados no HUCFF. A intenção é que o número chegue a 100.

 

Hospital do Fundão não é receptor primário em casos suspeitos de coronavírus

O HUCFF vai atender apenas casos encaminhados pela SES. Pessoas com algum sintoma, como febre, dificuldade para respirar, tosse, coriza e dor de garganta, devem ir para casa e permanecer em observação e isolamento. Caso os sintomas persistam ou se agravem, é preciso procurar atendimento em alguma unidade primária de saúde a fim de buscar orientações: se é necessário passar pelo teste de COVID-19 e onde ele deve ser feito.

 

Como localizar a unidade primária de saúde mais próxima de sua residência

Acesse www.rio.rj.gov.br/web/sms/onde-ser-atendido e coloque, no local indicado, o CEP ou endereço de residência. Caso você não more no Rio de Janeiro, procure uma Unidade Básica de Saúde (UBS) próxima de onde reside.

Em caso de dúvidas, ligue para 136, o número do Disque Saúde do Governo Federal, ou acesse os sites coronavirus.ufrj.br ou www.saude.gov.br.

 

 

ORIENTAÇÕES AOS PROFISSIONAIS

 

Considerando que há dificuldade global na aquisição de insumos, materiais e equipamentos para o enfrentamento da pandemia, é necessária a racionalização, de acordo com as recomendações dos órgãos normativos.

A máscara cirúrgica deverá ser usada somente no atendimento aos pacientes com sintomas respiratórios e na manipulação de análise respiratória. Já a máscara N95 será apenas utilizada por profissionais no atendimento a pacientes com sintomas respiratórios em procedimentos que aumentem o risco de aerossolização (produção de aerossóis, nebulização, coleta de swab de nasofaringe, broncoscopia, manuseio do paciente em ventilação mecânica etc.).

Cada Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) deverá adaptar a sua unidade para uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs).

Será obrigatório o uso de crachá para a entrada e circulação dentro dos hospitais (técnicos-administrativos, professores e estudantes). Caso não o esteja portando, será necessário fazer, obrigatoriamente, a identificação na portaria.

Será obrigatória a identificação para todos os pacientes/visitantes nas unidades hospitalares.

As visitas identificadas serão restritas a uma pessoa por paciente, por dia, aos pacientes internados não suspeitos de estar com COVID-19.

Os pacientes internados suspeitos ou diagnosticados com COVID-19 não poderão receber visitas. A determinação objetiva a proteção do paciente e de seus familiares.

É recomendada a flexibilização do horário de trabalho para as pessoas acima de 65 anos, de acordo com o perfil e a necessidade de cada setor e anuência das chefias.

Os profissionais de saúde assintomáticos e contactantes próximos (aperto de mão, contato físico inadvertido, proximidade por menos de 15 minutos com pessoas suspeitas de estar com COVID-19) deverão permanecer em suas atividades laborais.

Os profissionais de saúde contactantes domiciliares de casos confirmados de COVID-19 deverão permanecer em autoisolamento por 7 dias ou mais, conforme a evolução.

Já os profissionais de saúde sintomáticos respiratórios serão afastados por até 14 dias, devendo obrigatoriamente notificar a Coordenação de Políticas de Saúde do Trabalhador (CPST) da UFRJ.