UFRJ faz previsões econômicas pós-pandemia

Notas e moedas
IE faz previsões pós-pandemia Foto: Artur Moês - Coordcom/UFRJ

O Instituto de Economia (IE) lançou o artigo Impactos Econômicos e Setoriais da COVID-19 no Brasil, em que analisa possíveis cenários após o fim da pandemia. O estudo chega a uma conclusão sem precedentes: se ações mitigatórias não forem realizadas, o Produto Interno Bruto (PIB) do país pode sofrer uma retração de até 11% em um cenário pessimista.

O grupo de professores utilizou um modelo criado com base na matriz de insumo-produto, avaliando tendências no consumo, exportações e investimentos desagregados em 123 bens e serviços e apresentando os resultados para a agregação em 12 setores produtivos.

Os economistas traçaram três possíveis cenários a partir dessas tendências: otimista, referência e pessimista. O primeiro leva em conta uma rápida recuperação do setor externo, principalmente da China, e também do interno, após curto, porém efetivo, isolamento social. Esse cenário leva em conta uma série de ações do governo para minimizar a perda de poder econômico da população e, também, o fechamento de empresas.

Já o segundo cenário prevê um isolamento mais demorado, com baixa adesão da população e medidas protetivas menos eficazes, com um mercado externo que necessita de um maior tempo de recuperação.  O último, por sua vez, traz uma análise bastante dramática, com uma recuperação mais lenta, ações inadequadas e falhas ao proteger a sociedade e a economia, além de uma retomada mais lenta dos outros países.

O cenário otimista prevê uma diminuição de 3,1% do PIB, enquanto o referência e o pessimista preveem 6,4% e 11% respectivamente. Segundo Esther Dweck, professora do IE e coordenadora do estudo, os dois últimos cenários não têm precedentes na série histórica. “De acordo com a postura do governo e da população, estamos mais próximos do cenário de referência, já que existem políticas de mitigação, embora insuficientes, e a taxa de isolamento tem caído, o que posterga a crise, pois exige medidas mais duras”, explica.

A realidade além dos números

Os principais impactos serão sentidos no desemprego e agravamento da desigualdade social, com maior prejuízo no comércio, construção civil e indústrias extrativistas e de transformação. Tais setores podem computar uma perda de cerca de 8,3 milhões de vagas no mercado de trabalho, no cenário referência, chegando a 14,7 milhões. O estudo afirma que a perda potencial tende a ser maior para setores com mais informalidade e salários mais baixos, agravando bastante a desigualdade no período posterior à pandemia.

Segundo Dweck, é importante garantir primeiro a transferência de renda para as famílias mais afetadas de maneira mais ampla e ágil do que a que tem sido realizada com o auxílio emergencial, tanto para trabalhadores informais, quanto para os que possuem carteira assinada. Isso sem deixar de levar em consideração as especificidades de cada caso, permitindo que a perda de renda não seja tão abrupta. “É preciso urgentemente de uma política de auxílio às empresas para que não seja necessário demitir. Já vimos, pelos dados de março, que essas demissões estão começando”, afirma.

O cenário externo não parece muito animador. A China aparenta uma recuperação mais rápida, porém a Europa e os Estados Unidos seguem lentos. No entanto, tudo ainda é uma incógnita, com novos casos surgindo no país asiático e nos locais ainda sem controle da doença, como o Reino Unido e o interior americano. “Para as exportações, necessitamos do crescimento do cenário externo. Nesse caso, os setores serão mais afetados tanto na diminuição da demanda, quanto nos impactos nas questões de logística.”

Além das exportações, explica a professora, também são necessárias medidas compensatórias  para o setor de investimento após o período do isolamento. Essas ações poderiam compor grande projeto de investimento público: “Nosso cenário prevê que, durante a crise, haveria uma atuação muito positiva do governo, tanto que a gente não vê uma queda no investimento, mas o aumento com mais gastos em saúde”, declara, reforçando que, sem apoio efetivo aos estados e municípios, isso não acontecerá e ampliará a crise.

Estudo em constante atualização

A equipe do IE continua analisando informações para manter a pesquisa sempre atualizada conforme o andamento da crise. Dados sobre a produção industrial e o emprego referentes ao mês de março, início da COVID-19 no Brasil, já estão sendo computados para que os cenários possam ser constantemente reavaliados. “O nosso objetivo é ter um instrumento capaz de auxiliar na formulação de políticas públicas e não apenas realizar uma previsão econômica. Precisamos pensar em ações capazes de mitigar a crise”, conclui.

Leia a íntegra do documento aqui.