UFRJ é a melhor universidade federal do país pela 7ª vez, aponta CWUR


Palácio Universitário - foto: Acervo Coordcom/UFRJ

Dados divulgados na segunda-feira, 8/6, apontam que a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) é a melhor universidade federal do Brasil pela sétima vez consecutiva, ou seja, desde o início da aplicação da avaliação no mundo. A pesquisa foi feita pelo Center for World University Rankings (CWUR), dos Emirados Árabes, para o World University Rankings 2020-21, que, dentre 20 mil universidades avaliadas em todo o mundo, classificou 2 mil instituições. A UFRJ figurou no 356º lugar. Em 2019 ocupou a 349ª colocação.

Com 75,9 pontos no ranking, um décimo a menos que na edição passada da pesquisa, a UFRJ ficou em segundo lugar no Brasil no quesito “qualidade de ensino”, atrás apenas do Instituto de Matemática Pura e Aplicada (Impa). Além disso, figurou na terceira posição geral no país. Em primeiro e segundo lugares ficaram duas estaduais: respectivamente, Universidade de São Paulo (USP), com 81,7 pontos, e Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), com 76 pontos.

Das mais de 2.500 instituições de ensino superior brasileiras existentes, apenas 57 constam no top 2 mil mundial, sendo 54 públicas. Além da UFRJ, USP e Unicamp, figuram no top 10 Brasil: Universidade Estadual Paulista (Unesp), Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e Universidade Federal de Santa Catarina (Ufsc).

 


fonte: CWUR/World University Rankings 2020-21

 

O CWUR

O CWUR é elaborado desde 2012 e considerado um dos mais abrangentes rankings mundiais universitários, avaliando cerca de 20 mil universidades com base em quatro indicadores: qualidade de ensino (ex-alunos distinguidos), empregabilidade de alunos alumni (ex-alunos que ocupam posições de destaque nas maiores empresas do mundo), qualidade do corpo docente (acadêmicos com prêmios internacionais) e qualidade da produção científica (publicações e citações).

Oito das 10 primeiras colocações são de universidades norte-americanas. As outras duas são representantes britânicas. Os Estados Unidos conduzem o número de universidades listadas pelo ranking seguidos por China, Reino Unido, Japão, França e Alemanha. Consulte a pesquisa na íntegra.

 


foto: Marco Fernandes (Panorama UFRJ

A UFRJ

Pública, centenária e respeitada internacionalmente, a UFRJ é a primeira universidade criada pelo Governo Federal, em 1920. Mas, antes, algumas unidades já estavam em funcionamento, como a Escola Politécnica, fundada em 1792, que é considerada a sétima escola de Engenharia mais antiga do mundo e a primeira das Américas. No início chamada de Universidade do Rio de Janeiro, a UFRJ reuniu a Escola Politécnica, a Faculdade Nacional de Medicina, criada 1808, e a Faculdade Nacional de Direito, fundada em 1891.

Presença registrada nas dez melhores posições de diversos rankings acadêmicos na América Latina, a UFRJ conta, hoje, com 176 cursos de graduação e 232 cursos de mestrado e doutorado. Segundo o Ranking Universitário Folha 2019, a UFRJ é a universidade mais inovadora do país, o que se deve também à sua pluralidade: tem mais de 4 mil docentes, 65 mil estudantes, 3 mil servidores que atuam em hospitais e 5 mil técnicos-administrativos.

A UFRJ tem estrutura similar à de um município de médio porte, compatível com o seu grau de relevância estratégica para o desenvolvimento do país. Formou uma sucessão de ex-alunos notáveis, como o indicado ao Prêmio Nobel da Paz, Osvaldo Aranha; os escritores Jorge Amado e Clarice Lispector; o arquiteto Oscar Niemeyer; os médicos Oswaldo Cruz e Carlos Chagas; a jornalista Fátima Bernardes; e o matemático Artur Ávila, primeiro latino-americano a receber a Medalha Fields, honraria considerada equivalente ao Prêmio Nobel concedida a matemáticos de até 40 anos de idade.

Quarta instituição que mais produz ciência no Brasil, a UFRJ possui dois campi fora da capital fluminense: um em Macaé e outro em Duque de Caxias. Com projetos de ponta nas áreas científica e cultural, a antiga Universidade do Brasil tem sob seu escopo 9 hospitais e institutos de atenção à saúde, 13 museus, 1.456 laboratórios, 1.863 projetos de extensão, 14 prédios tombados, 45 bibliotecas e um Parque Tecnológico de 350 mil metros quadrados, com startups e empresas de protagonismos nacional e internacional.