Nota oficial


foto: Artur Moês (Coordcom/UFRJ)

Sobre postagens de deputado estadual contra a UFRJ

Nesta segunda-feira (13/7), um deputado estadual fez postagens em redes sociais com tentativas malsucedidas de deturpar a imagem da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), instituição pública, centenária e respeitada internacionalmente por seu ensino, pesquisa e extensão de ponta. As declarações do referido deputado estão em descompasso com o Código de Ética e Decoro Parlamentar da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), quando assevera que é dever fundamental dos deputados o “respeito à coisa pública”.

O deputado fez declaração que demonstra desconhecimento ou indiferença às características que balizam a história e a essência da UFRJ: democrática, autônoma, laica, pioneira e de qualidade. Qualidade esta que é fácil ser comprovada face à performance em pesquisas externas, como a que posicionou a Universidade como a terceira melhor da América Latina (Webometrics Ranking of World Universities 2019), ou ainda a que pontuou que é a mais inovadora do Brasil (Ranking Universitário Folha 2018 e 2019) e a que concluiu que a UFRJ está entre as 100 melhores do mundo em cinco áreas do saber (QS World University Rankings by Subject 2019).

Esclarecemos que a pauta absoluta da UFRJ é a contribuição de maneira inequívoca ao avanço científico, tecnológico e sociocultural do Brasil, como, por exemplo, a criação do primeiro centro de pesquisa internacional de pré-sal, a descoberta de que a vacina da febre amarela é capaz de combater o vírus da zika e a prova de que hormônio gerado quando realizamos atividades físicas (irisina) protege contra o Alzheimer. Sem contar a força-tarefa da UFRJ no combate ao coronavírus, com mais de 200 altas em pacientes com COVID-19, mais de 15 mil exames moleculares para detecção do novo coronavírus e mais de 70 mil litros de álcool produzidos.

A nossa missão institucional foi e continuará sendo a de formar cidadãos críticos e profissionais altamente qualificados independentemente de credo, gênero, etnia ou visão ideológica. O fortalecimento das atividades de ciência, tecnologia e inovação que ocorrem na UFRJ, primeira universidade brasileira criada pelo Governo Federal, em 1920, deve ser um projeto de estado, para garantir que as futuras gerações possam desfrutar de um país mais equânime, menos racista e que coloque a ciência no seu devido lugar: o de destaque, para o desenvolvimento econômico e social do Brasil.

Reiteramos nosso repúdio a quaisquer manifestações racistas ou sexistas que porventura ocorram contra a UFRJ, que permanecerá firme no enfrentamento das discriminações que ocorrem em nossa sociedade. Seguiremos lutando pelo respeito à democracia, autonomia universitária (prevista na Constituição Federal) e diversidade sociocultural.

13/7/2020
Reitoria da UFRJ